Logotipo Afya
Anúncio
PneumologiaMAI 2022

ATS 2022: recomendações de screening de DPOC em pacientes tabagistas

Já se sabe que quanto maior a carga tabágica maior a chance de desenvolvimento do doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC).

A doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) possui como principal fator de risco o tabagismo. Já se sabe que quanto maior a carga tabágica maior a chance de desenvolvimento do DPOC. Em estudo recém publicado, os autores avaliaram o impacto do rastreio do DPOC com espirometria em pacientes fumantes.

Leia também: Doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) e doenças cardiovasculares

ATS 2022: recomendações de screening de doença pulmonar obstrutiva (DPOC) em pacientes tabagistas

Metodologia

A US Preventive Service Task Force (USPSTF), órgão do governo americano responsável por recomendações na área da saúde, reafirmou sua indicação de não rastrear DPOC em pacientes tabagistas que sejam assintomáticos respiratórios (nível de evidência D). No documento, eles reforçam a indicação que já existia desde 2016, e que não se aplica a indivíduos de alto risco para DPOC como portadores de deficiência de alfa-1-antitripsina, trabalhadores expostos a substâncias potencialmente tóxicas, e pessoas com sintomas como tosse crônica, secreção, dispneia ou sibilância. A USPSTF ainda reafirma a necessidade de programas de cessação de tabagismo, tendo em vista a irreversibilidade da perda functional do DPOC, o impacto na qualidade de vida e a mortalidade.

A recomendação foi baseada em grandes metanálises recentes envolvendo tratamento e screening do DPOC. Cerca de 6% da população americana possui a doença, sendo responsável pela sexta maior causa de óbito no país. A mortalidade vem se reduzindo ao longo dos anos graças a melhoria do tratamento.

Recomendação

Não rastrear DPOC com questionários ou espirometria em pacientes que não apresentem sintomas respiratórios (GRADE: D).

Mensagens práticas:

  • O DPOC deve ser avaliado em pacientes com fatores de risco para a doença e sintomas compatíveis;
  • Questionário de sintomas, espirometria com prova broncodilatadora e tomografia de tórax podem ser úteis na avaliação;
  • O Brasil não possui programas de rastreio de DPOC, sendo os programas de cessação de tabagismo a principal intervenção a longo prazo para melhorar o prognóstico da doença.

Saiba mais: CHEST 2021: Fibrose pulmonar idiopática, neurointensivismo, DPOC e muito mais

Anúncio

Assine nossa newsletter

Aproveite o benefício de manter-se atualizado sem esforço.

Ao assinar a newsletter, você está de acordo com a Política de Privacidade.

Como você avalia este conteúdo?

Sua opinião ajudará outros médicos a encontrar conteúdos mais relevantes.

Referências bibliográficas

Compartilhar artigo