Logotipo Afya
Anúncio
SaúdeJUN 2022

Alterações no padrão de sono após infecção por covid-19

Uma nova condição encontrada e que pode também fazer parte da síndrome da covid-19 longa ou sequela aguda pós-covid-19 é o distúrbio de sono.

Por Gabriela Queiroz

Já é sabido que muitos pacientes infectados pelo vírus da covid-19, apresentam após a sua cura, a síndrome do covid-19 longa que é o surgimento de diversas alterações clínicas como dor crônica e distúrbio cognitivo que perpetuam por meses após a remissão do quadro infeccioso. Essas alterações  acabam promovendo uma diminuição da qualidade de vida desses pacientes e passa a ser preocupante  e objeto de estudos de vários cientistas.

sono

Distúrbio do sono

Uma nova condição encontrada e que pode também fazer parte da síndrome da covid-19 longa ou  sequela aguda pós-covid-19 é o distúrbio de sono. Alterações de sono moderadas a severas estão afetando cerca de 40% de pacientes após a infecção por covid-19, sendo mais comum em pacientes de raça negra.  

A Dra Cinthya Pena Orbea, especialista da Clínica de Sono da Cleveland Clinic, relata que a prevalência  desses distúrbios está alarmante. Em um estudo realizado pela equipe da Dra Pena, foram analisado dados de 962 pacientes com síndrome da covid-19 longa na Cleveland Clinic ReCOVer Clinic no periodo de  Fevereiro de 2021 até Abril de 2022. Esses achados foram apresentados na SLEEP 2022: 36th Annual  Meeting of the Associated Professional Sleep Societies.  

Mais de 2/3 dos pacientes estudados, cerca de 67,2%, relataram pelo menos a presença de sintomas  como fadiga moderada, enquanto 21,8% relataram fadiga severa. Além disso, 41,3% dos pacientes  avaliados relataram presença de disturbios de sono moderados e 8% disturbios de sono de intensidade  severa, incluindo insônia. Todos esses distúrbios acabram por alterar a qualidade de vida dos pacientes  em questão.  

Alguns outros fatores foram ligados ao aparecimento desses sintomas relacionados ao sono. Entre eles  podemos citar a obesidade, distúrbios de humor e a raça negra.  

“Não sabemos ainda o porque desses fatores demográfocos em relação a raça serem preponderantes,  porém estamos estudando para melhor entender porque a raça está se mostrando um fator  determinante para o desenvolvimento de alterações específicas do sono após a infecção por covid-19”  relata a Dra Pena.  

Não se sabe ao certo por quanto tempo esses sintomas perduram após o diagnóstico, porém o que se  tem evidenciado é que na população acometida, as alterações permanecem por um período de seis a oito meses.

Leia também: Recomendações dietéticas para a síndrome pós-covid-19

A Dra Ruth Benca, PhD, e chefe da Alliance for Sleep não se mostra surpresa com os achados da clínica de Cleveland. Segundo ela, a insonia foi um distúrbio de sono que acabou afetando toda a população,  mesmo as pessoas não infectadas, devido a situação de medo, incerteza, ansiedade, estresse e isolamento criada pela pandemia. E ter efetivamente o diagnóstico de covid-19, agravou mais ainda a  presença e persistência desse distúrbio.  

Será portanto que os distúrbios de sono apresentado pelos pacientes após infecção por covid-19 são efetivamente sequelas causados pela infecção ou apenas um agravamento de distúrbios que surgiram  no decorrer da pandemia? Muito ainda precisa ser estudado e analisado para que conclusões definitivas sejam afirmadas.

Anúncio

Assine nossa newsletter

Aproveite o benefício de manter-se atualizado sem esforço.

Ao assinar a newsletter, você está de acordo com a Política de Privacidade.

Como você avalia este conteúdo?

Sua opinião ajudará outros médicos a encontrar conteúdos mais relevantes.

Referências bibliográficas

Compartilhar artigo