Logotipo Afya
Anúncio
CardiologiaOUT 2019

DAPT reduz perdas do enxerto na ponte safena

A dupla antiagregação plaquetária (DAPT) é rotina após síndrome coronariana aguda e angioplastia, mas o benefício após cirurgia cardíaca é questionável.

Por Ronaldo Gismondi

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minuto.

A dupla antiagregação plaquetária (DAPT) é rotina após síndrome coronariana aguda e angioplastia. Contudo, o benefício após cirurgia cardíaca é questionável, além de haver preocupações com sangramento. Uma metanálise recente publicada no British Medical Journal nos ajuda a entender melhor o cenário. O estudo olhou um desfecho secundário específico: a patência dos enxertos venosos com ponte safena. Dados da literatura apontam que 10-25% dos enxertos estão ocluídos em média 12-18 meses após a cirurgia.

estatinas betabloqueadores

DAPT após cirurgia cardíaca

O estudo incluiu 20 publicações, com 4.800 participantes, e comparou AAS em monoterapia com DAPT, em especial AAS+clopidogrel e AAS+ticagrelor. O resultado mostrou que ambas as combinações reduzem o risco de perda (trombose) do enxerto venoso de safena, em 40 e 50%, respectivamente.

Por outro lado, não houve aumento no risco de sangramentos graves. A única ressalva é que há mais estudos com AAS+clopidogrel do que AAS+ticagrelor, até pelo tempo de mercado das drogas.

Take-home message

Atualmente, a conduta “padrão” é o AAS em monoterapia, porém nos pacientes de maior risco (ex: vaso pequeno diâmetro, enxerto de qualidade ruim), este estudo abre caminho para DAPT na prevenção da oclusão do enxerto de safena na cirurgia de revascularização do miocárdio.

LEIA TAMBÉM: FFR para planejar cirurgia de revascularização do miocárdio é útil?

Referências bibliográficas:

Anúncio

Assine nossa newsletter

Aproveite o benefício de manter-se atualizado sem esforço.

Ao assinar a newsletter, você está de acordo com a Política de Privacidade.

Como você avalia este conteúdo?

Sua opinião ajudará outros médicos a encontrar conteúdos mais relevantes.

Compartilhar artigo