NeurologiaOUT 2022

Cardiomiopatia atrial aumenta risco de desenvolvimento de demência?

 Um estudo publicado no Journal of the American Heart Association examinou a relação entre cardiomiopatia atrial e demência em idosos.

0 visualizações
0 avaliações
4 minutos
Ler depois
Por Felipe Resende Nobrega
Capa do artigo

Sabemos que o acidente vascular cerebral é um fator de risco para demência e que a fibrilação atrial, uma condição cardíaca comum em pessoas idosas, é um fator de risco bem conhecido para acidente vascular cerebral. Na edição de 16 de agosto do  Journal of the American Heart Association, um estudo decidiu investigar se há relação também entre cardiomiopatia atrial e desenvolvimento de demência em pacientes idosos.

Os dados coletados apontam que a fibrilação atrial tem sido associada à demência em pesquisas anteriores, mas a cardiopatia atrial não havia sido associada até o momento. 

Leia também: Parece, mas não é: conheça diagnósticos tratáveis que se assemelham à paralisia cerebral

Métodos

Foram examinados prospectivamente 5.078 pacientes do estudo Risco de Aterosclerose em Comunidades (ARIC) vivendo em quatro comunidades dos Estados Unidos. Os participantes não tinham demência quando foram recrutados para o estudo no final da década de 1980. Especificamente, os pesquisadores coletaram dados entre 2011 e 2019 em três visitas separadas para determinar se os participantes tinham cardiomiopatia atrial e, nos dois últimos, demência.

A idade média da amostra era de 75 anos, 59% eram mulheres. Cerca de um terço (34%) teve cardiomiopatia atrial e 763 pacientes da amostra total desenvolveram demência durante o acompanhamento médio de seis e 12 anos. 

Resultados

A cardiopatia atrial foi associada a um risco elevado de demência (HR ajustado = 1,35; IC 95%, 1,16–1,58) e a associação foi mais forte quando os participantes atenderam a pelo menos dois dos critérios para cardiopatia atrial (HR ajustada = 1,54; IC de 95%, 1,25 a 1,89). 

Os pesquisadores excluíram indivíduos com fibrilação atrial e a associação permaneceu; (ajustou HR=1,31; IC 95%, 1,12–1,55) e o mesmo foi observado quando os participantes com acidente vascular cerebral foram excluídos (ajustou HR=1,28; 95% IC, 1,09–1,52). Os pesquisadores determinaram que a fibrilação atrial mediava 4% do efeito da cardiopatia atrial na demência (p=.005) e o acidente vascular cerebral mediava 9% do efeito (p=.048). 

Conclusão

Este estudo sugere que, além da fibrilação atrial, a cardiomiopatia atrial, que é mais comum do que a fibrilação atrial e em si mesma é um fator de risco para fibrilação atrial, também é um fator de risco para demência, mesmo em pessoas sem acidente vascular cerebral ou fibrilação atrial conhecida. O estudo demonstra de forma convincente que a cardiopatia atrial esquerda é um potencial contribuinte para o risco de declínio cognitivo, mas nenhum estudo tem respostas sólidas sobre como a cardiopatia atrial pode levar à demência subsequente. 

Mensagem prática

As descobertas têm implicações importantes para os neurologistas, porque, embora a anticoagulação tenha demonstrado reduzir o risco de comprometimento cognitivo e demência, as atuais ferramentas de avaliação de risco e decisão de tratamento são baseadas principalmente no início de fibrilação atrial manifesta antes ou no momento do acidente vascular cerebral. No entanto, o que esses dados nos mostram é que as alterações cardíacas que ocorrem frequentemente antes do início da fibrilação atrial podem ter utilidade para identificar aqueles com alto risco de declínio cognitivo. 

Os neurologistas devem considerar a cardiopatia atrial e a doença cardíaca como comórbida na avaliação do risco cognitivo e que indivíduos com marcadores de cardiopatia atrial esquerda podem ser um grupo importante para a ser alvo para triagem ou potencialmente anticoagulação se os ensaios clínicos randomizados em andamento estabelecerem benefícios nessa população.

Sabemos que o acidente vascular cerebral é um fator de risco para demência e que a fibrilação atrial, uma condição cardíaca comum em pessoas idosas, é um fator de risco bem conhecido para acidente vascular cerebral. Na edição de 16 de agosto do  Journal of the American Heart Association, um estudo decidiu investigar se há relação também entre cardiomiopatia atrial e desenvolvimento de demência em pacientes idosos.

Os dados coletados apontam que a fibrilação atrial tem sido associada à demência em pesquisas anteriores, mas a cardiopatia atrial não havia sido associada até o momento. 

Leia também: Parece, mas não é: conheça diagnósticos tratáveis que se assemelham à paralisia cerebral

Métodos

Foram examinados prospectivamente 5.078 pacientes do estudo Risco de Aterosclerose em Comunidades (ARIC) vivendo em quatro comunidades dos Estados Unidos. Os participantes não tinham demência quando foram recrutados para o estudo no final da década de 1980. Especificamente, os pesquisadores coletaram dados entre 2011 e 2019 em três visitas separadas para determinar se os participantes tinham cardiomiopatia atrial e, nos dois últimos, demência.

A idade média da amostra era de 75 anos, 59% eram mulheres. Cerca de um terço (34%) teve cardiomiopatia atrial e 763 pacientes da amostra total desenvolveram demência durante o acompanhamento médio de seis e 12 anos. 

Resultados

A cardiopatia atrial foi associada a um risco elevado de demência (HR ajustado = 1,35; IC 95%, 1,16–1,58) e a associação foi mais forte quando os participantes atenderam a pelo menos dois dos critérios para cardiopatia atrial (HR ajustada = 1,54; IC de 95%, 1,25 a 1,89). 

Os pesquisadores excluíram indivíduos com fibrilação atrial e a associação permaneceu; (ajustou HR=1,31; IC 95%, 1,12–1,55) e o mesmo foi observado quando os participantes com acidente vascular cerebral foram excluídos (ajustou HR=1,28; 95% IC, 1,09–1,52). Os pesquisadores determinaram que a fibrilação atrial mediava 4% do efeito da cardiopatia atrial na demência (p=.005) e o acidente vascular cerebral mediava 9% do efeito (p=.048). 

Conclusão

Este estudo sugere que, além da fibrilação atrial, a cardiomiopatia atrial, que é mais comum do que a fibrilação atrial e em si mesma é um fator de risco para fibrilação atrial, também é um fator de risco para demência, mesmo em pessoas sem acidente vascular cerebral ou fibrilação atrial conhecida. O estudo demonstra de forma convincente que a cardiopatia atrial esquerda é um potencial contribuinte para o risco de declínio cognitivo, mas nenhum estudo tem respostas sólidas sobre como a cardiopatia atrial pode levar à demência subsequente. 

Mensagem prática

As descobertas têm implicações importantes para os neurologistas, porque, embora a anticoagulação tenha demonstrado reduzir o risco de comprometimento cognitivo e demência, as atuais ferramentas de avaliação de risco e decisão de tratamento são baseadas principalmente no início de fibrilação atrial manifesta antes ou no momento do acidente vascular cerebral. No entanto, o que esses dados nos mostram é que as alterações cardíacas que ocorrem frequentemente antes do início da fibrilação atrial podem ter utilidade para identificar aqueles com alto risco de declínio cognitivo. 

Os neurologistas devem considerar a cardiopatia atrial e a doença cardíaca como comórbida na avaliação do risco cognitivo e que indivíduos com marcadores de cardiopatia atrial esquerda podem ser um grupo importante para a ser alvo para triagem ou potencialmente anticoagulação se os ensaios clínicos randomizados em andamento estabelecerem benefícios nessa população.

Como você avalia este conteúdo?

Sua opinião ajudará outros médicos a encontrar conteúdos mais relevantes.

Referências bibliográficas

Compartilhar artigo

Felipe Resende NobregaFelipe Resende Nobrega
Editor médico de Neurologia da Afya • Residência Médica em Neurologia (UNIRIO) • Mestre em Neurologia (UNIRIO) • Graduação em Medicina pela Universidade Estácio de Sá

Artigos recomendados