Logotipo Afya
Anúncio
NeurologiaJUL 2022

Acupuntura para tratamento da cefaleia tensional crônica

Nova análise tenta preencher a lacuna de evidências sobre a eficácia da técnica milenar da acupuntura no tratamento de condições médicas.

Um estudo realizado por pesquisadores da China, publicado online na revista Neurology, mostrou a eficácia da acupuntura para cefaleia tensional crônica (CTC).

Dados anteriores, incluindo uma revisão sistemática Cochrane, mostraram que a acupuntura pode ser útil para este tipo de cefaleia, mas permaneceram questões como análise comparativa com outras opções de tratamento, a duração do efeito e a eficácia especificamente para este tipo de cefaleia.

Leia também: Acupuntura no tratamento da dor

O objetivo do estudo chinês foi responder algumas questões sobre a duração do efeito do tratamento e a eficácia especificamente na cefaleia tensional crônica (CTC) da acupuntura.

Acupuntura para tratamento da cefaleia tensional crônica

Metodologia do estudo

O estudo incluiu 218 participantes com CTC randomizados para o grupo de intervenção, denominado acupuntura verdadeira (AV) (n=109), ou para um grupo controle, denominado acupuntura superficial (AS) (n=109).

Os participantes foram recrutados nos ambulatórios do Hospital Universitário da Universidade de Medicina Tradicional Chinesa de Chengdu entre junho de 2017 e setembro de 2020.

Os participantes elegíveis para inclusão tinham idades entre 18 e 65 anos, história de CTC há pelo menos um ano e pelo menos 15 dias de crise por mês durante pelo menos três meses. Entre as exclusões para a elegibilidade do estudo estavam pessoas com enxaqueca crônica, cefaleia causadas por outras etiologias, aqueles que tomaram medicamentos profiláticos nos três meses anteriores à inscrição no estudo e as pacientes que estavam grávidas ou amamentando.

Os participantes que receberam AV foram submetidos a 20 sessões de acupuntura por mais de oito semanas, três sessões por semana nas primeiras quatro semanas e duas sessões por semana nas últimas quatro semanas. Cada sessão durou 30 minutos. As agulhas foram administradas manualmente para estimular e alcançar “deqi sensation” — sensação de dormência, dor ou peso — vista como fundamental para alcançar o sucesso na acupuntura através da teoria tradicional chinesa e apoiada por ressonância magnética funcional e estudos clínicos.

Os participantes do grupo AS receberam sessões semelhantes, mas com a inserção de agulhas para evitar a “deqi sensation”. Três diferentes acupunturistas realizaram o tratamento.

O resultado foi baseado no autorrelato de cada participante mantendo um diário de cefaleia da semana 4 até a semana 32, no qual eles registraram a frequência, duração, intensidade e sintomas associados, juntamente com qualquer uso de analgésicos ou outros medicamentos.

O estudo demonstrou significativamente que mais participantes que receberam AV tiveram uma redução de 50% ou mais nos dias mensais de cefaleia, em comparação com aqueles que receberam AS em 16 semanas (68,2% vs 48,1%, respectivamente, p < 0,001). Em 32 semanas, a diferença permaneceu significativa com a taxa de resposta de 68,2% para os participantes de AV e 50% para os participantes de AS ( p < 0,001). Nenhuma diferença significativa nos efeitos do tratamento foi encontrada entre os três acupunturistas.

Saiba mais: A eletroacupuntura é uma opção de tratamento adjuvante em portadoras da SOP?

Conclusão

Em suma, os autores concluíram que a acupuntura administrada duas ou três sessões por semana para um total de 20 sessões foi eficaz para o tratamento de dores de cabeça crônicas do tipo tensional por pelo menos 32 semanas. Ela pode ser adotada como uma opção não farmacológica para a CTC, especialmente para pessoas com cefaleias refratárias e que respondem mal às terapias medicamentosas atuais.

Anúncio

Assine nossa newsletter

Aproveite o benefício de manter-se atualizado sem esforço.

Ao assinar a newsletter, você está de acordo com a Política de Privacidade.

Como você avalia este conteúdo?

Sua opinião ajudará outros médicos a encontrar conteúdos mais relevantes.

Referências bibliográficas

Compartilhar artigo