Logotipo Afya
Anúncio
NeurologiaABR 2022

A amamentação em mulheres com epilepsia sob medicação anticonvulsivante

Há pouca evidência para apoiar que a exposição a DAE do leite de mulheres com epilepsia tenha efeitos clínicos no recém-nascido.

É preciso deixar claro que dados os benefícios do aleitamento materno em relação à saúde neonatal a curto e longo prazo, o uso de DAEs não contraindica a amamentação.  No entanto, as novas mães com epilepsia são menos propensas a amamentar.

Os médicos devem reforçar os benefícios.  De acordo com um relatório de 2019 da Força-Tarefa da Liga Internacional Contra a Epilepsia (ILAE) sobre Mulheres e Gravidez, as mulheres precisam ser incentivadas a considerar a amamentação, mas com adaptação de acordo com a sensibilidade de suas crises e à privação do sono, assim como sua síndrome epilética.

Muitas mulheres com epilepsia optam por amamentar, mas introduzem a mamadeira no hospital.  Isso permite que outro adulto forneça o leite, pelo menos uma vez por meio de fórmula ou leite materno previamente retirado, permitindo que a mãe obtenha pelo menos um período de sono ininterrupto de quatro horas por 24 horas.  É recomendado outras duas horas de sono durante o dia para atingir um mínimo de seis horas de sono nas 24 horas para reduzir o risco de crises.  No entanto, não há estudos de alta qualidade avaliando o risco de crises no período pós-parto em relação a padrões específicos de sono.

Todos os DAEs são mensuráveis ​​no leite materno, mas os níveis são variáveis. A porcentagem relatada de níveis plasmáticos no leite materno varia de 5 a 10% com valproato, a 41% com  lamotrigina, a 90% com etossuximida , a 100% com  levetiracetam.

mulheres com epilepsia

O que diz a literatura

Pequenos estudos de lamotrigina relataram que as concentrações plasmáticas infantis eram de 18 a 30% das concentrações plasmáticas maternas. Estudos de levetiracetam, topiramato  e  gabapentina descobriram que, embora presentes no leite materno em concentrações semelhantes ao plasma materno, as concentrações no plasma infantil eram baixas, sugerindo eliminação rápida.

Há pouca evidência para apoiar que a exposição a DAE do leite materno tenha efeitos clínicos no recém-nascido. Em um estudo prospectivo de 139 pares mãe-bebê expostos a uma variedade de DAE, quase 50% das concentrações nos lactentes foram abaixo do limite inferior de detecção.

Leia também: Dia Mundial de Conscientização da Epilepsia

Se o recém-nascido que amamenta ficar agitado ou adormecer logo após começar a mamar, pode ser necessário interromper a amamentação. No entanto, para a grande maioria das medicações, especialmente aqueles usados ​​​​de primeira linha na prática neurológica contemporânea, não há efeitos adversos em lactentes.

O aconselhamento de mulheres com epilepsia sobre amamentação é individualizado, mas normalmente incentivado quando em monoterapia, particularmente com os medicamentos mais comuns. Mas outros medicamentos e politerapia envolvem mais cautela, e sem dúvida,  mais pesquisas são necessárias para muitos dos agentes mais novos

Anúncio

Assine nossa newsletter

Aproveite o benefício de manter-se atualizado sem esforço.

Ao assinar a newsletter, você está de acordo com a Política de Privacidade.

Como você avalia este conteúdo?

Sua opinião ajudará outros médicos a encontrar conteúdos mais relevantes.

Referências bibliográficas

Compartilhar artigo