Logotipo Afya
Anúncio
Ginecologia e ObstetríciaNOV 2021

Novo consenso: tratamento hormonal para mulheres com histórico de câncer de mama e sintomas urogenitais

Novo guideline aborda a segurança e eficácia das opções hormonais e não hormonais em mulheres com história de câncer estrogênio dependente.

Por Juliana Olivieri

No final deste ano de 2021, o American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG) publica no novo consenso clínico para tratamento dos sintomas urogenitais em indivíduos com história de câncer de mama estrogênio dependente. O novo guideline aborda a segurança e eficácia do tratamento hormonal e não hormonal neste grupo de mulheres.

Ouça também: Climatério e menopausa: critérios diagnósticos e tratamento [podcast]

para mulheres com histórico de câncer de mama e sintomas urogenitais

Diretrizes do American College of Obstetricians and Gynecologists

O ACOG mantém a orientação de que os métodos não hormonais devem ser considerados de primeira linha tratamento para sintomas urogenitais em indivíduos com uma história de câncer de mama dependente de estrogênio.

Os tratamentos não hormonais e, portanto, de primeira linha que foram relatados para serem eficazes no tratamento de sintomas vulvovaginais lubrificantes; ácido hialurônico; ácido poliacrílico; e óvulos vaginais de vitamina E e D. Ainda não há evidências suficientes para dizer qual seria o mais eficaz.

Porém, sabemos que muitas vezes os sintomas genitourinários são moderados a severos, e os tratamentos não hormonais resolvem os sintomas. O ACOG sugere que, após a discussão dos riscos e benefícios, estrogênio vaginal de baixa dosagem pode ser usado com segurança em indivíduos com histórico de câncer de mama, incluindo aqueles que usam tamoxifeno.

Para indivíduos que tomam inibidores de aromatase (AIs), estrogênio vaginal de baixa dosagem pode ser usado após a tomada de decisão compartilhada entre os paciente, ginecologista e oncologista.

Além disso, a deidroepiandrosterona (DHEA) ou testosterona também são opções à dispareunia e melhora o tecido vaginal.

A seguir temos um resumo prático das opções hormonais consideradas adequadas pelo ACOG:

  • Inserção vaginal de prasterona: 6,5 mg uma vez ao dia;
  • Creme vaginal 17b-estradiol: O intervalo de dosagem usual é de 1 a 4 g diariamente por 1 ou 2 semanas, então, gradualmente reduzido para a metade da dosagem inicial por período semelhante; uma dosagem de manutenção de 1 g, 1 a 3 vezes por semana, pode ser usado após a restauração da vagina;
  • Creme vaginal de estrogênio equino conjugado:
    • Regime baseado em evidências: administração duas vezes por semana de 0,5 g por via intravaginal (por exemplo, segunda e quinta-feira) para o tratamento de dispareunia moderada a grave;
    • Regimes comuns: 1 g todas as noites durante 2 semanas, após duas vezes por semana ou 0,5 g duas vezes por semana;
  • Anel vaginal 17b-estradiol 7,5 microgramas/dia por 90 dias;
  • Comprimido/creme vaginal de estradiol hemihidratado: 10 microgramas/dia por 2x semanas, depois 10 microgramas/dia 2 x por semana;
  • Uma inserção vaginal contendo 4 microgramas está disponível, embora não seja usado nos estudos;
  • Creme vaginal de testosterona 300 microgramas ou 150 microgramas aplicados diariamente durante 28 dias;
  • 300 microgramas ou 150 microgramas aplicados diariamente por 2 semanas, depois 3 vezes por semana.

Saiba mais: Terapia de reposição hormonal diminui o risco de demência?

Ospemifeno e Moduladores receptor seletivo de estrogênio

O Ospemifeno, um medicamento seletivo administrado por via oral modulador do receptor de estrogênio (SERM), tem mostrado evidências para melhora  dos sintomas na população em geral de indivíduos na pós-menopausa e pode ser considerado como opção para indivíduos com histórico de estrogendependência câncer de mama.

Embora não haja indicação de que o ospemifeno está associado com aumento do risco de recorrência de câncer de mama, dados de segurança de longo prazo ainda são limitados.

Referências bibliográficas:

  • Treatment of Urogenital Symptoms in Individuals With a History of Estrogen-dependent Breast Cancer: Clinical Consensus. Obstet Gynecol. 2021 Dec 1;138(6):950-960. doi: 10.1097/AOG.0000000000004601.
Anúncio

Assine nossa newsletter

Aproveite o benefício de manter-se atualizado sem esforço.

Ao assinar a newsletter, você está de acordo com a Política de Privacidade.

Como você avalia este conteúdo?

Sua opinião ajudará outros médicos a encontrar conteúdos mais relevantes.

Compartilhar artigo