Logotipo Afya
Anúncio
AnestesiologiaDEZ 2023

Anestesia em paciente com deficiência (PCD): como abordar?

Acesse já o Whitebook Clinical Decision e confira a conduta completa de anestesia em pacientes com deficiência.

Por Afya Whitebook

A anestesia em pacientes com deficiência (PCD), seja por distúrbio de cognição ou deficiências físicas como cegueira ou surdez, é um desafio muito grande para o profissional anestesista. O manejo desses pacientes tem características especiais e deve ser realizado com conforto, tanto para o paciente como para a equipe. Muitos pacientes nessa situação encontram-se agitados e pouco colaborativos. Para acessar a conduta completa, busque pelo Whitebook.

Assim como todas os pacientes em geral, os pacientes com síndrome cognitiva podem necessitar de alguma intervenção cirúrgica durante a vida. Esses pacientes apresentam, ainda, grande necessidade da realização de procedimentos odontológicos frequentes, tornando-se comum na rotina na vida do profissional anestesista especializado no nicho.

Esses pacientes podem se comportar como crianças pequenas, porém com força e tamanho de um adulto. É muito importante que o profissional proporcione a melhor experiência possível ao paciente, pois este provavelmente será submetido a vários procedimentos durante a vida.

Técnica para anestesia em PCD

Todo o procedimento anestésico realizado nessa classe de pacientes deve ser sob anestesia geral e em ambiente hospitalar. Confira algumas técnicas para a realização do pré-anestésico em PCD:

  • O paciente obrigatoriamente precisa estar acompanhado de um responsável legal durante toda a internação;
  • Avaliar as condições clínicas de todos os órgãos e tecidos, a fim de identificar possíveis patologias concomitantes;
  • Solicitar exames de avaliação cardíaca ou de qualquer outro especialista, caso necessário;
  • Solicitar risco cirúrgico;
  • Atentar para tempo de jejum. Esse é um fator muito importante, uma vez que esses pacientes não possuem entendimento e podem se alimentar equivocadamente. Vigilância constante;
  • Identificar todas as medicações usadas e avaliar quanto a sua suspensão;
  • Avaliar o custo versus benefício da realização de um pré-anestésico. Como esses pacientes costumam utilizar vários agentes psicotrópicos, acabam tendo grande resistência aos efeitos de ansiolíticos, podendo às vezes causar agitação;
  • Como opção, pode-se realizar Cetamina IM nos pacientes não colaborativos.

Acesse o Whitebook e saiba mais!

Anúncio

Assine nossa newsletter

Aproveite o benefício de manter-se atualizado sem esforço.

Ao assinar a newsletter, você está de acordo com a Política de Privacidade.

Como você avalia este conteúdo?

Sua opinião ajudará outros médicos a encontrar conteúdos mais relevantes.

Compartilhar artigo