Logotipo Afya
Anúncio
NeurologiaOUT 2016

Insônia Crônica: quando dormir é o melhor remédio

Nos dias atuais, a insônia é considerada um problema de saúde pública. Sua frequência é de 6%, enquanto dados nacionais chegam a 15%.

A insônia é definida como uma insatisfação com a qualidade ou quantidade do sono, com dificuldade em iniciar ou manter o sono ou despertar precoce pela manhã com incapacidade de retornar a dormir, associada à fadiga, déficit de atenção, alterações do humor ou prejuízo funcional.

500x120-assinatura

Tomando-se para seu diagnóstico o DSM-IV sua frequência é de 6%, enquanto dados nacionais chegam a 15%. Nos dias atuais, a insônia é considerada um problema de saúde pública.

Sua gênese inclui fatores genéticos e ambientais, ligados tanto a regulação do ciclo circadiano quanto ao processo homeostático. A insônia é frequentemente observada em outras condições neurológicas tais como esclerose múltipla, doença de Parkinson, doença de Alzheimer, acidente vascular cerebral, traumatismo craniano e epilepsia. E está relacionada a um maior risco de desenvolvimento de depressão, declínio cognitivo e infarto do miocárdio.

Veja também: ‘Você sabe fazer uma avaliação clínica da insônia?’

Quando causa comprometimento funcional, se apresenta por pelo menos três noites por semana, por pelo menos três meses, e não está relacionado a outros transtornos do sono, médicos ou mentais, estamos diante de um caso de insônia crônica (IC).

Há duas modalidades de tratamento para IC: farmacológica e não farmacológica. A primeira inclui variadas classes de medicações: benzodiazepínicos (triazolam, estazolam, temazepam, flurazepam, diazepam, midazolam, clonazepam), hipnóticos não benzodiazepínicos (zaleplon, zolpidem e eszopiclone); suvorexante, um antagonista do receptor da orexina; ramelton, um agonista do receptor de melatonina; antidepressivos; antihistamínicos; antipsicóticos e melatonina.

Entre as técnicas não-farmacológicas, a mais empregada é a terapia cognitivo-comportamental (TCC). A TCC consiste numa combinação de terapia cognitiva e de relaxamento, intervenções comportamentais (por exemplo: restrição de sono e controle de estímulos) e intervenções educacionais (por exemplo: higiene do sono).

E mais: ‘Como os distúrbios do sono estão relacionados ao AVC’

No dia a dia o mais frequente é nos deparamos com pacientes em uso continuo e por longos períodos de medicação indutora do sono. Trata-se de uma prática associada a uma série de riscos: dependência química (especificamente no caso dos benzodiazepínicos), queda, fratura de fêmur e demência. Tal conduta é condenada por diversas sociedades medicas, incluindo a American College of Physicians (ACP). Em seu Guideline para Manejo da Insônia Crônica em Adultos, publicado em maio de 2016, a ACP recomenda que:

1. Todos os pacientes adultos recebam terapia cognitivo-comportamental (TCC) para insônia como tratamento inicial para insônia crônica.

2. Os médicos utilizem uma abordagem de tomada de decisão compartilhada, incluindo uma discussão sobre benefícios, riscos e custos de medicações de curto-prazo, para decidir sobre a inclusão de terapia farmacológica em pacientes adultos com insônia crônica nos quais a terapia cognitivo-comportamental (TCC) sozinha não teve sucesso.

No texto, a ACP faz também algumas considerações:

  • Medicações deveriam, idealmente, ser usadas por não mais do que 4 a 5 semanas, e as habilidades aprendidas na TCC utilizadas por longo prazo.
  • Estudos de IC tipicamente excluem pacientes com insônia relacionada a outras desordens. Antes de recomendar que um pacientes continue a usar medicações para insônia, o médicos deveriam considerar causas potencialmente tratáveis de insônia secundária como depressão, dor, hipertrofia prostática benigna, abuso de substâncias e outros distúrbios do sono como apneia do sono e síndrome das pernas inquietas.
  • Se, após uma tentativa de TCC, uma decisão conjunta é tomada pela utilização de medicação contínua por não mais do que 4 a 5 semanas, o médico deve reavaliar a necessidade de medicação em intervalos periódicos.
  • IC por si só pode trazer diversos efeitos deletérios a saúde. No entanto, não se sabe se as medicações reduzem os efeitos nocivos da privação de sono, e as evidencias são insuficientes para considerar numa balança os benefícios e riscos do uso de medicação por longo período.
  • Idosos relatam com mais frequência dificuldade de manter o sono, enquanto os adultos não idosos mais frequentemente informam problemas com a latência para o início do sono.
  • Idosos podem ser mais sensíveis a medicações e seus efeitos adversos e devem sem monitorados de perto quando tratados com agentes farmacológicos.

Deve-se ter em mente que a prescrição de fármacos indutores do sono pode se mostrar mais atraente e cômoda quando comparada a uma investigação minuciosa dos fatores relacionados a IC e a orientação de TCC. No entanto, tal facilidade, além de ineficaz em longo prazo, pode tornar noites mal dormidas num verdadeiro pesadelo.

cristianeborges

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

250-BANNER5

Referências:

  • CASTRO, Laura S. et al. Objective prevalence of insomnia in the São Paulo, Brazil epidemiologic sleep study. Annals of neurology, v. 74, n. 4, p. 537-546, 2013.
  • OHAYON, Maurice M. Epidemiology of insomnia: what we know and what we still need to learn. Sleep medicine reviews, v. 6, n. 2, p. 97-111, 2002.
  • QASEEM, Amir et al. Management of chronic insomnia disorder in adults: a clinical practice guideline from the American College of Physicians. Annals of internal medicine, 2016.
  • RIEMANN, Dieter et al. The neurobiology, investigation, and treatment of chronic insomnia. The Lancet Neurology, v. 14, n. 5, p. 547-558, 2015.
Anúncio

Assine nossa newsletter

Aproveite o benefício de manter-se atualizado sem esforço.

Ao assinar a newsletter, você está de acordo com a Política de Privacidade.

Como você avalia este conteúdo?

Sua opinião ajudará outros médicos a encontrar conteúdos mais relevantes.

Compartilhar artigo