Logotipo Afya
Anúncio
NefrologiaDEZ 2017

Perda ponderal em pacientes em hemodiálise está associado com maior mortalidade?

Pacientes em hemodiálise podem experimentar perda ponderal nos primeiros meses. Mas essa alteração no peso corporal pode estar associada a maior mortalidade?

Por Vanessa Thees

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minuto.

Pacientes em hemodiálise podem experimentar perda ponderal nos primeiros meses de tratamento. Mas essa alteração no peso corporal pode estar associada a maior mortalidade? Foi o que investigou um artigo publicado na revista Nephrology Dialysis Transplantation, da Oxford Academic.

Para esse estudo, pesquisadores utilizaram uma grande coorte americana (n = 58.106) para analisar as tendências em perda ou ganho de peso e mortalidade por todas as causas. Todos os participantes avaliados iniciaram a hemodiálise entre 2007 e 2011 e sobreviveram ao primeiro ano de tratamento.

Os pesos dos pacientes em hemodiálise diminuíram rapidamente e atingiram o ponto mais baixo no 5º mês de tratamento, com declínio médio de 2% em relação ao baseline. Já nos pacientes obesos, a perda foi, em média, de 3,8% até o 12º mês.

Os índices de risco de morte de pacientes com perda de 2 a 6% do peso e maior ou igual a 6% durante os primeiros cinco meses foram 1,08 e 1,14. Em contrapartida, o aumento de peso de 2 a 6% e maior ou igual a 6% aos 12 meses foi associado a uma maior sobrevida (0,91 e 0,92, respectivamente).

Pelos achados, os pesquisadores concluíram que, nos pacientes que sobrevivem ao primeiro ano de hemodiálise, observa-se um declínio no peso, que está associado a um maior risco de morte. Já o aumento de peso nessa população está associado a uma maior sobrevida aos 12 meses.

Referências:

  • Association of Body Weight Changes With Mortality in Incident Hemodialysis Patients. Tae Ik Chang; Vyvian Ngo; Elani Streja; Jason A. Chou; Amanda R. Tortorici; Tae Hee Kim; Tae Woo Kim; Melissa Soohoo; Daniel Gillen; Connie M. Rhee; Csaba P. Kovesdy; Kamyar Kalantar-Zadeh. Nephrol Dial Transplant. 2017;32(9):1549-1558. © 2017 Oxford University Press
Anúncio

Assine nossa newsletter

Aproveite o benefício de manter-se atualizado sem esforço.

Ao assinar a newsletter, você está de acordo com a Política de Privacidade.

Como você avalia este conteúdo?

Sua opinião ajudará outros médicos a encontrar conteúdos mais relevantes.

Compartilhar artigo