Logotipo Afya
Anúncio
Cardiologia16 fevereiro 2023

Novo guideline para tratamento da hipertensão sistêmica define a pressão alvo

A hipertensão arterial sistêmica é uma das doenças que lideram os altos índices de mortalidade mundial.

Por Gabriela Queiroz

Nos Estados Unidos cerca de 32% dos pacientes adultos tem diagnóstico de hipertensão e no Brasil cerca de 30%, segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia e contribuem significativamente para oneração dos cofres públicos, com despesas entre tratamento, exames e internação. O médico de família tem um papel fundamental no tratamento e controle da hipertensão arterial sistêmica.

A American Academy of Family Physicians (AAFP) lançou, em novembro de 2022, um novo guideline definindo a pressão arterial alvo que se deve alcançar em pacientes distintos em tratamento para hipertensão. Realizando uma revisão de diversos estudos controlados e randomizados, a Academia publicou um guia clínico prático determinando a pressão alvo ideal para o tratamento desses pacientes. Esse guia foca em pacientes em tratamento para hipertensão, com ou sem comorbidades cardíacas e está muito mais relacionado aos níveis pressóricos do que a própria terapêutica em si.

Leia também: Diferentes estratégias para tratamento para hipertensão leve durante a gravidez

Novo guideline para tratamento da hipertensão sistêmica define a pressão alvo

O guideline atual possui basicamente duas recomendações:

Recomendação 1: Recomendação forte. A AAFP recomenda fortemente que profissionais que tratam pacientes com hipertensão obtenham uma pressão arterial abaixo de 140X90 mmHg a fim de reduzir o risco da mortalidade geral e da mortalidade relacionada a doença cardiovascular. Tentar manter a pressão abaixo de 135X85 mmHg foi demonstrado que não oferece maiores benefícios em relação a mortalidade, porém se o profissional ou o paciente desejar, níveis menores podem ser estabelecidos.

As revisões sistemáticas realizadas não evidenciaram diferença significativa na ocorrência de efeitos adversos entre os dois alvos, porém nos pacientes com alvos inferiores a 135X85 mmHg houve uma maior incidência de síncope e hipotensão.

Recomendação 2: Recomendação fraca. Os profissionais que tratam pacientes com hipertensão arterial sistêmica devem tentar manter a pressão alvo em torno de 135X85 mmHg a fim de reduzir o risco de infarto do miocárdio. Porém essa é considerada uma recomendação fraca, pois apesar desses níveis pressóricos estarem relacionados a prevenção de infarto, não há correlação com a prevenção de acidente vascular cerebral. Apesar de recomendado, não há grande benefício em alcançar alvos nesse valor. Além disso, para conseguir manter esses níveis mais baixos, seria necessário em muitos pacientes a administração de mais de um medicamento anti-hipertensivo.

Barreiras e limitações

Existem, porém, algumas barreiras e limitações para a utilização desse guia. Uma delas seria a incapacidade ou dificuldade do paciente controlar seus níveis pressóricos em casa, pela falta de equipamento necessário que demanda custo e habilidade ou impossibilidade de se encaminhar a um serviço de saúde de forma rotineira a fim de avaliar seus níveis pressóricos diários até que as doses dos medicamentos sejam bem estabelecidas, o que pode levar dias ou meses.

Saiba mais: Impacto da perda de peso em fatores de risco cardiovasculares

Outra limitação seria a heterogeneidade de opiniões, entre diferentes especialidades que tratam hipertensão, em definir o alvo pressórico ideal, levando a confusão e falta de confiança entre paciente e profissional. Para que isso não aconteça os profissionais de saúde deveriam colaborar e desenvolver um cuidado coordenado e homogêneo. Embora seja unânime que o objetivo do tratamento da hipertensão arterial sistêmica visa diminuir a morbimortalidade e complicações, chegar em um acordo entre todos os profissionais de saúde é ainda um grande desafio.

Abaixo segue a tabela de comparação de alvos pressóricos recomendados pelas diferentes Academias:

Instituição18 a 59 anos60 a 69 anos70 a 79 anosAcima de 80 anos
AAFP (2022)< 140/90 mmHg< 140/90 mmHg< 140/90 mmHg< 140/90 mmHg
NIHCE (2022)< 140/90 mmHg< 140/90 mmHg< 140/90 mmHg< 150/90 mmHg
ESHC (2021)< 130/80 mmHg< 130/80 mmHg< 140/80 mmHg< 140/80 mmHg
ISH (2020)< 130/80 mmHg< 140/90 mmHg< 140/90 mmHg< 140/90 mmHg
ACC/AHA (2017)< 130/80 mmHg< 130/80 mmHg< 130/80 mmHg< 130/80 mmHg
ACP (2017)        ———-< 150/90 mmHg< 150/90 mmHg< 150/90 mmHg
AAFP (American Academy of Family Physician), NIHCE (National Institute for Health and Care Excellence), ESHC (Europe Society of Hypertension Council), ISH (International Society of Hypertension), ACC (American College of Cardiology), AHA (American Heart Association), ACP (American College of Physicians).
Anúncio

Assine nossa newsletter

Aproveite o benefício de manter-se atualizado sem esforço.

Ao assinar a newsletter, você está de acordo com a Política de Privacidade.

Como você avalia este conteúdo?

Sua opinião ajudará outros médicos a encontrar conteúdos mais relevantes.

Referências bibliográficas

Compartilhar artigo