Logotipo Afya
Anúncio
Ortopedia6 agosto 2021

Dor lombar aguda: relaxantes musculares têm benefícios?

Dor lombar é uma queixa frequente em consultórios. Em casos de características osteomusculares, é comum prescrever relaxantes musculares. Saiba mais.

Dor lombar é uma queixa frequente na emergência e nos consultórios. Nos casos com características osteomusculares, relaxantes musculares (principalmente antiespasmódicos não benzodiazepínicos, como ciclobenzaprina) são comumente prescritos. Esta abordagem é recomendada como primeira linha de tratamento pelo American College of Physicians.

dor lombar

Revisão sobre relaxantes musculares para dor lombar

Uma nova revisão sistemática foi publicada recentemente na BMJ para avaliar a eficácia dos relaxantes musculares, neste contexto. Ao todo, os autores avaliaram 49 ensaios clínicos randomizados e controlados nos quais antiespasmódicos não benzodiazepínicos foram comparados com placebo ou outros controles. Destes, 31 ensaios foram analisados, o que equivalia a 6.505 participantes.

Evidências de certeza muito baixa mostraram que, em duas semanas, os antiespasmódicos não benzodiazepínicos foram associados a uma intensidade de dor menor do que os tratamentos de controle. Porém, segundo os autores, a diferença de 7,7 pontos (em uma escala padronizada de 100 pontos) estava abaixo do limite para que fosse considerado relevante clinicamente.

Também foi visto que os antiespasmódicos não benzodiazepínicos podem ter pouco ou nenhum efeito na intensidade da dor em 3-13 semanas ou na incapacidade em todos os momentos de acompanhamento. (evidência de moderada a baixa certeza). Quando usados em excesso, os antiespasmódicos não benzodiazepínicos foram associados a eventos adversos não graves, como tontura e sonolência (evidência de baixa certeza). Nenhum estudo avaliou o efeito dos relaxantes musculares nos resultados de longo prazo.

Saiba mais: Lombalgia: como é a abordagem?

Mensagem prática

O estudo sugere que os benefícios de curto prazo dos antiespasmódicos não benzodiazepínicos são limitados e não temos evidências a respeito de seus benefícios a longo prazo. Além de serem medicações que não estão isentas de efeitos colaterais.

Sabemos que os relaxantes musculares são bastante prescritos no contexto da dor lombar, então estudos mais rigorosos são necessários para esclarecer seus reais benefícios. Por ora, é válido explicar ao paciente o que temos de evidências com relação ao uso da medicação no momento da prescrição.

Referências bibliográficas:

 

Anúncio

Assine nossa newsletter

Aproveite o benefício de manter-se atualizado sem esforço.

Ao assinar a newsletter, você está de acordo com a Política de Privacidade.

Como você avalia este conteúdo?

Sua opinião ajudará outros médicos a encontrar conteúdos mais relevantes.

Compartilhar artigo