Logotipo Afya
Anúncio
Ginecologia e ObstetríciaABR 2022

Câncer de colo uterino: existe diferença na recuperação de histerectomia radical aberta ou videolaparoscópica?

Estudos recentes mostram que a CMI quando comparada a histerectomia radical aberta (HRA), apresenta índices de sobrevida similares.

Nos últimos trinta anos houve um grande avanço no campo da cirurgia minimamente invasiva (CMI) oncológica. Estudos recentes mostram que a CMI quando comparada a histerectomia radical aberta (HRA), apresenta índices de sobrevida similares, porém, com menores complicações cirúrgicas.

Câncer de colo uterino existe diferença na recuperação de histerectomia radical aberta ou videolaparoscópica

Análise recente: histerectomia radical aberta ou videolaparoscópica

Em abril de 2022, foi publicado um estudo retrospectivo pela American College of Surgeons National Surgical Quality Improvement Program (ACS NSQIP). Com o objetivo de identificar a incidência, tipo e grau de eventos adversos pós-operatórios em mulheres com câncer do colo do útero em estágio inicial submetidas a histerectomia radical minimamente invasiva (HRMI) vs. histerectomia radical abdominal (HRA), e determinar os fatores de risco associados a esses eventos adversos.

Leia também: Reino Unido está caminhando para eliminação do câncer de colo de útero

HRA teve uma incidência significativamente aumentada de qualquer evento adverso pós-operatório quando comparada à HRMI (31,2% versus 19,9%, p < 0,001). Houve uma maior incidência de infecção do sítio cirúrgico (ISC), tanto profunda quanto superficial, e maior sangramento, além de transfusões nas pacientes submetidas a HRA. Na regressão logística multivariada, a abordagem cirúrgica abdominal foi o único fator de risco significativamente associado a qualquer evento adverso pós-operatório (OR 1,4, IC 1,1-1,9, p=0,018).

Conclusão

Segundo os autores do estudo, a abordagem cirúrgica abdominal para histerectomia radical no câncer de colo de útero em estágio inicial foi associada a uma maior incidência de eventos adversos pós-operatórios em comparação com a abordagem minimamente invasiva. Este é mais um estudo que comprova a indicação de CMI para paciente oncológica, mostrando seus benefícios pós-operatórios e sua segurança.

Anúncio

Assine nossa newsletter

Aproveite o benefício de manter-se atualizado sem esforço.

Ao assinar a newsletter, você está de acordo com a Política de Privacidade.

Como você avalia este conteúdo?

Sua opinião ajudará outros médicos a encontrar conteúdos mais relevantes.

Referências bibliográficas

Compartilhar artigo